Em busca dos Mistérios do Mundo Antigo - Incríveis Revelações Arqueológicas - A história Proibida da raça humana - A verdade que não te contaram - Os Gigantes da Antiguidade - Kadumago antigo narrador de Mistérios da Antiguidade - Siga este blog - Se inscreva no canal - Siga a página no facebook - Ajude o trabalho crescer - A verdade que não te contaram - Os Gigantes da Antiguidade - O Continente Perdido de Mu - Os Gigantes Ruivos da América - Deuses do Egito - Os Gigantes Construtores Antediluvianos - Kadumago antigo narrador de Mistérios da Antiguidade - Siga este blog -Se inscreva no canal - Siga a página no facebook - Ajude o trabalho crescer - Dinossauros - um passado não tão distante de nós - Os imponentes megálitos de Baalbek - A História Perdida da Terra - Mundos Antediluvianos

Páginas

A cidade Perdida de Petra

Foto cortesia de flickr licenciada em By-Sa-2.0


No início do ano de 1800, um explorador suíço conseguiu chegar a Petra, o antigo oásis cuja localização foi um segredo bem guardado durante séculos.

Nas profundezas dos desertos e e montanhas escarpadas da Jordânia está um tesouro antigo, a cidade de pedra de Petra. Patrimônio Mundial da UNESCO e uma das sete novas maravilhas do mundo, Petra é uma gigantesca metrópole repleta de túmulos, monumentos e outras estruturas religiosas elaboradas e esculpidas em penhascos de arenito. Acredita-se que já existia em 9.000 a.C. Petra se transformou na próspera capital do reino nabateu. Essa cultura pouco compreendida do oriente médio domina grande parte da Jordânia dos dias atuais. No entanto do século III a.C. até o I d.C., se rendeu ao poder crescente do Império Romano. Após a conquista de Roma e a mudança das rotas comerciais, a cidade declinou em importância até ser totalmente abandonada. Os europeus não puseram os olhos em suas paredes cor-de-rosa durante muito tempo. Mas isso viria a mudar quando no o início do século 19, um viajante que  vestido com trajes beduínos se infiltrou no local misterioso.

 Créditos da imagem - Repositório

Um explorador disfarçado

Em 1812, o estudioso suíço Johann Ludwig Burckhardt viu-se de pé na entrada de um rio, um vale seco, onde seu guia beduíno o havia conduzido. Seguindo o chão rochoso do desfiladeiro, notou como as paredes das cavernas se elevavam tão alto que quase obscureciam o céu. Mas uma visão extraordinária aguardava Burckhardt ao se dirigir para o outro lado: um edifício fantástico, esculpido em rocha sólida e coberto com uma magnífica urna que subia a quase 50 metros acima dele. O explorador suíço teve que conter seu espanto e admiração. Um estudioso apaixonado do mundo árabe, Burckhardt sabia que havia encontrado uma misteriosa cidade perdida, pois havia rumores de que ele havia chegado em suas viagens pelo deserto. Ele foi o primeiro europeu a entrar em Petra por muitos séculos. Envolto em vestes árabes, Burckhardt teve que manter sua excitação para si. Seu guia beduíno acreditava que ele fosse o xeique Ibrahim ibn Abdallah, um estudante indiano nascido e criado nos princípios do Alcorão, que - explicou Burckhardt ao guia em árabe quase impecável - havia chegado a esse lugar remoto para cumprir um voto piedoso. Ele teve que agir com a máxima discrição. Qualquer movimento em falso poderia ter revelado seu disfarce, colocando assim sua missão, e talvez até a sua própria vida em perigo.

Photo by xorge - 24 Petra (679), CC BY-SA 2.0,

Cidade das Lendas

Lendas de riquezas perdidas giravam em torno daquele incrível monumento que Burckhardt acabara de ver. Em árabe, este edifício é conhecido como Al Khazneh, (o Tesouro), por causa das histórias contadas pelas tribos locais sobre um tesouro depositado ali por ladrões, há muito tempo. Hoje, os historiadores acreditam que esta magnífica estrutura seja o túmulo de um soberano do primeiro século, talvez o rei nabateu Aretas IV. Dentro há uma câmara funerária, livre de qualquer detalhe decorativo e, até agora pelo menos, sem nenhum tesouro. É possível também que em suas viagens, Burckhardt tenha escutado as tribos de beduínos contarem outra história de Petra: a do Qasr al Bint (o Palácio da Filha do Faraó). Diz a lenda que pertencia a uma princesa que se comprometeu se casar com qualquer homem que pudesse canalizar a água para o seu palácio. Na realidade este edifício, o único exemplo em Petra de um monumento não esculpido em rocha, é um grande templo. Uma estrutura de tetrastilo  (quatro colunas na frente). Estudiosos especulam que foi dedicado ao culto das divindades dos nabateus Dushara e Al-'Uzza.

Photo by Bernard Gagnon - Own work, CC BY-SA 3.0, 


Oásis dos nabateus

Na Bíblia, a área em torno de Petra é chamada Edom, a terra que acredita-se ter sido colonizada por descendentes de Esaú, o irmão gêmeo mais velho do patriarca israelita, Jacó. É provável que Petra estivesse entre os assentamentos ocupados por tribos semitas, que invadiram a área ao redor do Mar Morto, a noroeste, e do Golfo de Aqaba, ao sul, no século 13 a.C. Petra, junto com uma confederação de outras cidades, estava em constante conflito com as tribos hebraicas a oeste. Muito mais tarde, uma nova onda de colonos chegou, cuja vasta riqueza transformaria Petra na Cidade das Rosas. Estes eram os nabateus, descendentes, segundo o escritor judaico-romano Josefo, da figura bíblica de Nebaioth, filho de Ismael, que foi o filho de Abraão com Agar a Egípcia. Acredita-se que eles tenham se originado na Arábia, chegando a Petra como comerciantes nômades por volta do século IV aC., atraídos pela abundância de água doce. Lá eles mudaram para um estilo de vida estável e se tornaram-se especialistas em engenharia hidráulica, criando um sistema altamente sofisticado de reservatórios e canais de irrigação. A chuva e a água de nascentes foram coletadas em depósitos especiais, a partir dos quais foi distribuída pela cidade. Se a colônia era um oásis urbano exuberante no meio do deserto vermelho, é fácil entender por que, na tradição local, o episódio do livro bíblico do Êxodo, no qual Moisés faz a água fluir batendo em uma rocha com seu cajado esteja em Petra.

 Photo cortesy by flickr licence by-sa/2.0/

De acordo com a versão local, o estreito barranco conhecido como o Siq, ao longo do qual o próprio Burckhardt chegara a Petra, foi formado pela torrente de água libertada depois que Moisés golpeou a rocha. Qualquer que tenha sido a origem desse recurso mais precioso, os inventivos nabateus usaram a água para cultivar sua cidade. Petra floresceu como rotas de especiarias desenvolvidas que ligavam a Índia, a Pérsia e a Arábia com o Mediterrâneo, o Egito e a Fenícia.
Estabelecendo o monopólio do tráfego de caravanas, a capital nabateia conseguiu se proteger dos inimigos, permanecendo aberta ao fluxo principal de comércio através do mundo antigo. Durante séculos, trens de dromedários carregados de especiarias, seda e incenso chegaram a Petra. Desertos cansados, pagavam voluntariamente seus impostos, não apenas para desfrutar da proteção da cidade, mas para estocar o recurso mais precioso que os nabateus poderiam fornecer: água doce. Ao lado a entrada conhecida como CiqPhoto by David Bjorgen - Own work, CC BY-SA 3.0, 

Muitos dos monumentos incríveis de Petra foram construídos durante o reinado do rei Aretas IV, entre 8 a.C e 40 d.C. Durante quase um século, a glória de Petra brilhou intensamente, até ser difundida pelo império maior a oeste: Roma. Em 106 d.C., o imperador Trajano anexou os territórios nabateus e a área ficou conhecida como a província romana da Arábia Petraea. Ofuscada por Bostra (conhecida hoje como Busra ash Sham), a influência política de Petra, a capital da nova província Romana diminuiu. Muito mais tarde, após o colapso do Império Romano, Petra tornou-se uma capital provincial sob o Império Bizantino. Mas quando isso aconteceu, caiu para as forças muçulmanas no século VII, fazendo Petra desaparecer para o mundo. Em ruínas depois de uma série de terremotos, passou a ser conhecida como Wadi Musa chamada de vale de Moisés. Durante as Cruzadas a área era mais conhecida pelo mosteiro de St. Aaron do que pelo próprio nome da cidade. O mosteiro ficava localizado na montanha chamada em árabe, Jebel Haroun ou monte Aaron. Dizem ser o local de descanso do irmão de Moisés. No século XII, o sultão Saladino tomou a maior parte da Terra Santa dos cruzados.

Montanha de Jebel Haroun onde fica o Mosteiro de  St. Aaron  Photo by I, Clem23, CC BY-SA 3.0, 

Jebel Haroun
e o culto de Arão tornaram-se um lugar de peregrinação muçulmana. Mas um grupo de pessoas manteve a lealdade às ruínas de Petra: os beduínos, que usavam a cidade como sua fortaleza. Eles mantiveram sua localização um segredo bem guardado por centenas de anos.

Wadi Musa ou Vale de Moisés Próximo a Petra Photo by Bernard Gagnon - Own work, CC BY-SA 3.0, 

No século XIX, os colonialistas europeus eram motivados por noções românticas e comerciais de exploração ao Oriente Médio. O desejo de encontrar ruínas de civilizações perdidas inflamava a imaginação dos estudiosos, entre eles Johann Ludwig Burckhardt. Nascido em 1784, Burckhardt viajou para a Inglaterra para aprofundar seus estudos em 1806. Estudou árabe na Universidade de Cambridge e tornou-se membro da Associação para a Promoção da Descoberta das Partes Interiores da África, com sede em Londres, que encarregou seu talentoso recrutamento para encontrar a nascente do rio Níger. Burckhardt aceitou.

Johann Ludwig Burckhardt Photo by Unknown

Assim sua expedição foi marcada para embarcar no Cairo. Antes de partir em uma missão tão perigosa, em 1809, Burckhardt decidiu visitar a Síria para intensificar seu estudo do idioma árabe e do islamismo. Foi lá que ele adotou seu pseudônimo, Ibrahim ibn Abdallah, para quem ele começou a criar uma história de fundo. Astutamente ele decidiu que seu personagem, Ibrahim, seria um muçulmano da índia, cujas origens distantes dissipariam qualquer dúvida sobre seu inegável sotaque estrangeiro quando falava o idioma árabe. Depois de um período intensivo de quatro anos de estudo e viagens dentro na Síria, Burckhardt considerou que estava finalmente pronto para ir ao Cairo.

Photo by xorge - 24 Petra (237), CC BY-SA 2.0,

Uma rota direta para o Egito ficava ao longo da costa, porém Burckhardt escolheu um caminho mais difícil, através das rotas desérticas perto do Mar Morto, uma área totalmente desconhecida para europeus. Seu motivo, como ele escreveu, era consolidar seu conhecimento já extenso sobre o mundo árabe, mas também “reunir informações sobre a geografia de uma área totalmente desconhecida”. Burckhardt deixou Damasco em 18 de junho de 1812. Indo para o sul através do que é hoje a Jordânia. Ali ele ouviu pessoas falando sobre uma cidade localizada perto de Jebel Haroun, onde se acredita que a tumba de Aaron estaria localizada. Bem versado em escritores clássicos de historiadores como Diodorus, Siculus, Strabo e Josefo, cujas obras fazem referência à misteriosa Petra, ele percebeu com crescente excitação, que poderia estar de fato perto da cidade perdida. Dessa forma ele inventou uma história bem convincente para seu alter ego, Ibrahim: Ele era agora um peregrino piedoso vindo de muito longe para cumprir uma promessa: "Fazer um sacrifício no túmulo de Aarão". Assim, contratando um guia local, Burckhardt entrou no território beduíno. Em 22 de agosto de 1812, ele emergiu do escuro e estreito rio Wadi, finalmente pondo os olhos no esplendor da fachada do Tesouro. Por todo o seu cuidado e discrição, ele não pôde resistir a examinar as estruturas e fazer anotações. Em seu relato posterior da descoberta, escreveu sobre o momento quase ter parado seu coração, quando seu guia beduíno desconfiado bradou com raiva : “Agora vejo claramente que você é um infiel”, acusando-o de querer roubar o tesouro. Burckhardt porém negou a acusação e continuou em direção ao túmulo de Aaron.

 Photo By Isidore Laurent Deroy - Gen. Ed. Glenn Markoe, Petra Rediscovered: Lost City of the Nabataeans, Thames & Hudson Ltd., 2003, ISBN 0500051267, Public Domain, 

"Há um vale nas colinas de Jebel Shera chamado Wadi Musa", escreveu ele à associação africana em sua chegada ao Egito. "Aqui estão os restos de uma cidade antiga, que conjeturo ser Petra, aplacewhich asfarasIknow, nosso viajante europeu já a visitou.”

Cinco anos depois no Cairo, depois de muitas andanças que o levaram a Meca e Medina, ele finalmente estava pronto para explorar o rio Níger. Mas em uma vida curta, repleta de aventuras, Burckhardt nunca a alcançaria. Aos 32 anos ele sucumbiu à disenteria, não realizando seu sonho de revisitar as maravilhas que havia examinado sob o olhar desconfiado e vigilante de seu guia beduíno.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os direitos resrvados

Safe Creative #1810242907925

Índice das Postagens

Total de visualizações

Sima-me

Sobre mim

Minha foto
Sou historiador, artista conceitual, escritor e compositor. Um homem apaixonado pelo conhecimento que se sente feliz em poder propaga-lo através de criações artísticas e audiovisuais.

Se inscreva em meu canal

Siga meu blog

Postagem mais recente

A civilização dos Messênios

Photo by john antoni - CC BY-SA 2.0 Glorificados pelos Gregos modernos e exaltados nos épicos contos de Homero, os messênios sempr...

Conheça meu Livro

Adquira a sua

Conheça minhas estampas

The Giant's Well Standard T-Shirt Front

Conheça minhas estampas

Postagens mais visitadas

Conheça minhas estampas

Conheça minhas estampas

Atlântida reino dos gigantes

Baixe o livro de graça
kadumago. Tecnologia do Blogger.

Política de Privacidade

Termos e Serviço

Denunciar abuso