Em busca dos Mistérios do Mundo Antigo - Incríveis Revelações Arqueológicas - A história Proibida da raça humana - A verdade que não te contaram - Os Gigantes da Antiguidade - Kadumago antigo narrador de Mistérios da Antiguidade - Siga este blog - Se inscreva no canal - Siga a página no facebook - Ajude o trabalho crescer - A verdade que não te contaram - Os Gigantes da Antiguidade - O Continente Perdido de Mu - Os Gigantes Ruivos da América - Deuses do Egito - Os Gigantes Construtores Antediluvianos - Kadumago antigo narrador de Mistérios da Antiguidade - Siga este blog -Se inscreva no canal - Siga a página no facebook - Ajude o trabalho crescer - Dinossauros - um passado não tão distante de nós - Os imponentes megálitos de Baalbek - A História Perdida da Terra - Mundos Antediluvianos

Páginas

As Amazonas do Cáucaso


 Créditos da imagem  Boris Vallejo (Valeggio)
"A existência das amazonas não me parecia mais uma fábula depois de eu ter visto as mulheres russas." (Charles François) citado por Philibert Masson, viajante francês do século XVIII.
As mulheres não nascem, nem se tornam Amazonas. Isso é algo que desce sobre uma mulher de repente, pode acontecer com qualquer um, é como se dois pássaros sem-teto penetrassem sua cavidade torácica e iniciem uma família lá. Assim que os filhotes puderem voar, começam a clamar para sair - retirado de "Amazon" - ou outros textos. As Novas Amazonas , Moscou, 1991 As Amazonas representam a mais antiga, variada e contínua tradição de mulheres fortes, independentes e criativas na cultura e na vida russa. Nos últimos dois milênios, as amazonas russas usaram os mais diversos tipos de “armaduras”, vestidas com os mais variados estilos, a partir de hábitos de pilotagem (a primeira definição da palavra Ryabushkin, “Donzela de Cabelos Negros Lutando contra os Homens de Novgorod. Amazon, (em russo) serve para uniformes militares; eles manifestaram os mais variados comportamentos e levaram a maior parte das vidas pessoais, dentro e fora do casamento. O nome “Amazona” foi aplicado a vários indivíduos, grupos e comunidades de mulheres: guerreiras lendárias e historicamente documentadas que percorriam as terras das estepes do sudeste e, mais tarde, das costas setentrionais do Mar Negro em tempos pré-históricos; Imperatriz guerreira e mulheres de poder; guerreira doméstica na tradição romântica de Joana d'Arc; mulheres que serviram no exército russo como combatentes desde a idade média até a Segunda Guerra Mundial; certas mulheres tribais que vivem no Cáucaso e na região de Kuban; numerosas mulheres “independentes” e “não convencionais” de aparência, comportamento ou linha de trabalho convencionalmente “não femininos”; Feministas russas e mulheres fumantes; um número de mulheres escritoras, poetisas e artistas; mulheres ou lésbicas identificadas pelas outras mulheres; e provavelmente a maioria das mulheres criativas que se destacaram em uma profissão masculina. 



 As lendas sobre as Amazonas que habitavam os territórios posteriormente colonizados pelos eslavos orientais que têm sua origem nos escritos do historiador do século V a.C., Heródoto, registra o seguinte relato:

 "Os gregos fizeram guerra com as amazonas (os citas chamavam as  amazonas Eorpata, que em grego significa assassina de homens; (Eor significa homem e Pata significa matar).  Depois da vitória grega em Thermodon, os gregos voltaram para casa em três navios, levando consigo tantas amazonas quanto conseguiram capturar vivas. No mar as elas os atacaram e mataram a todos. Elas não eram familiarizadas com a navegação, e não sabiam como guiar um leme, nem lidar com velas ou remos. Depois de matar os gregos, ficaram à mercê das ondas e, perseguidas pelo vento, finalmente chegaram a Crimeia (Kremny), o lago Meotid (Mar de Azov). Kremny, se localizava na terra dos Citas livres. Ali as Amazonas desembarcaram de seus navios e começaram a perambular pelo território próximo, encontraram uma manada de cavalos e aprenderam a montar. Em seus cavalos elas começaram a pilhar a terra dos Citas".( Heródoto , IV, 110).

Heródoto relata que após a batalha com as Amazonas, os Citas perceberam que seus inimigos eram mulheres e decidiram enviar “a elas o mesmo número de jovens”, não para lutar, mas para se acasalarem: Os citas decidiram fazer isso porque desejavam ter filhos das Amazonas ”( Heródoto , VI, 111).

Dessa forma os jovens Citas e as amazonas passaram a a conviver. Em seus acampamentos os Citas sugeriram a elas voltarem ao seu território, porém as amazonas se recusaram:
“Não podemos viver com suas mulheres. Nossos costumes não são os mesmos que os seus” ( Heródoto IV, 114).
No final, os Citas e suas esposas amazonas decidiram se estabelecer em outra localidade. Eles se reorientaram através de Tánais e depois foram para o leste por três dias ao norte do lago Meótis. Tendo alcançado a localidade onde eles vivem até os dias de hoje.”(HeródotoIV, 116).

Heródoto relata que os Sármatas (um povo etnicamente relacionado aos Citas) se originaram dos sindicatos citas-amazônicos e mantiveram os costumes das Amazonas:
“Mulheres sauromatianas… com seus maridos e por conta própria… caçam a cavalo, seguem militares campanhas e vestir as mesmas roupas que os homens.” (Heródoto)
Um eco distante da história de Heródoto sobre as amazonas, citas e Sármatas pode ser ouvido no folclore russo no “Conto sobre o Reino das Criadas e dos Homens”, que foi escrito em 1891 por  V Bogdanov na província de Smolensk . Na antiguidade, as vidas e costumes das Amazonas e, mais tarde, os Sármatas, como descrito por Heródoto, forneceram um contraste agudo (e alguns estudiosos argumentaram) com o estilo de vida totalmente isolado da maioria das mulheres gregas. As Amazonas cavalgaram, foram à guerra e venceram os inimigos. O fato é que se essas mulheres guerreiras da antiguidade são apenas um mito, ou de fato existiram, ainda é objeto de controvérsia nos dias de hoje. No entanto, em 1992-1995, uma expedição conjunta de arqueólogos americanos e russos, trabalhando em Pokrovka (120 quilômetros ao sul de Orenburg), Desenterrou uma cultura material que testemunha a existência de mulheres guerreiras entre os nômades que habitavam esses territórios - indo-europeus que falavam uma língua indo-iraniano. Uma clara analogia pode ser vista entre essa cultura onde Heródoto escreveu sobre as amazonas e os Sármatas .

Como a arqueóloga americana, Davis-Kimball, que participou das escavações de Pokrovka, observa:
“A cultura material encontrada nos enterros de Pokrovka é similar àquela dos Sármatas dos séculos VI e IV e no sétimo século a.C. Os primeiros sármatas documentados no Volga-Don interfluvial” (Davis-Kimball, 330). 
Muitos artefatos dos enterros de Pokrovka (14% dos enterros femininos continham armamentos de bronze e / ou ferro) e de outros locais na região de Orenburg indicam que ...
“mulheres guerreiras foram encontradas em algumas unidades tribais. … Uma das covas mais profundas enterradas pelos guerreiros foi encontrada uma jovem no cemitério 2. Ela usava em volta do pescoço um amuleto em forma de uma pequena bolsa de couro que continha uma ponta de flecha de bronze. No seu lado direito, havia uma adaga de ferro e uma aljava que  continha mais de 40 flechas, com pontas de bronze, colocadas ali há a mais de 2.500 anos.” (Davis-Kimball, 336-337).

Livro: Warrior Women da Drª. Jeannine Davis-Kimball


Informações adicionais sobre as Amazonas que habitaram terras próximas ou adjacentes ao território russo podem ser encontradas nos escritos do antigo geógrafo e historiador grego Estrabo (c. 63 aC - c. 21 dC), que localiza as Amazonas na região do Cáucaso.  Ao contrário da maioria dos historiadores anteriores, ele não descreve as Amazonas como sendo totalmente guerreiras, dizendo que, na maioria das vezes, elas passavam o tempo pastoreando rebanhos, trabalhando na terra e cuidando de seus cavalos. As mais fortes delas ficavam engajadas na caça e, às vezes, na guerra. Estrabo também foi um dos primeiros comentadores a estabelecer uma conexão entre comunidades exclusivamente femininas (ou amazonas) e habitantes da ilhas, um elo importante que pode ter facilitado a posterior integração das Amazonas com o poeta Safo, do século VI aC, que vivia na ilha de Lesbos. Estrabo escreveu que no oceano não muito longe da costa em frente ao estuário do rio Liger, uma pequena ilha em que viveu, um grupo de mulheres semíticas eram adoradoras de Dionísio. Nenhum homem jamais pusera os pés nessa ilha, relata Estrabo, mas as mulheres de lá ocasionalmente viajavam para o continente a fim de manter relações sexuais com seus homens, depois voltavam para a ilha. Embora Estrabo expresse ceticismo sobre se as Amazonas realmente existiam no Cáucaso, vários eruditos e etnógrafos russos do final do século XIX engajaram-se em um animado debate sobre essa questão e argumentaram que mulheres guerreiras e comunidades exclusivamente femininas já habitaram essa área na antiguidade.

 Cáucaso - Créditos da imagem: Makalu

  Em "Novas notas sobre a história antiga do Cáucaso e seus habitantes" (1866), o historiador Shopen, defendeu a existência (em teoria) de mulheres guerreiras antigas com base na "necessidade histórica". Shopen teorizou que a na pré-história, quando os habitantes ndo Cáucaso viviam em condições de ilegalidade e eram vítimas fáceis de ladrões e vândalos, toda a população masculina de uma determinada localidade poderia ter sido completamente exterminada e as mulheres que sobreviveram por terem permanecido em casa teriam assumido o poder na comunidade. Então, Shopen concluiu:
"A mais belicosa das mulheres teriam decidido não se submeter à autoridade masculina novamente formando uma república só de mulheres.(Kosven, 3, 25-26). 
É possível que Shopen tenha sido influenciado pelo trabalho do historiador alemão Bachhofen, o criador da teoria do matriarcado como o sistema sócio-político que precedeu o patriarcado. No final do século XIX, o etnógrafo russo M. Kovalevsky, que pertencia à geração de estudiosos russos que sucederam a de Shopen, estudou as leis e os costumes dos povos caucasianos. Sua pesquisa o levou a comparar algumas das leis e costumes que ele observou entre os povos em seu estudo com os atributos tradicionais das lendárias Amazonas. Com base nessa comparação transcultural, Kovalevsky chegou à conclusão de que as Amazonas da antiguidade existiram de fato, mas que algumas das antigas crenças tradicionais sobre elas eram pura fantasia, como seu suposto costume de queimar seu olho direito para facilitar tiro de um arco. Finalmente, no início do século XX, o historiador dos cossacos de Kuban, FA Shcherbin, analisando o testemunho dos autores antigos, avançou a hipótese de que as Amazonas da pré-história eram provavelmente as antecessoras da população indígena do Kuban. Shcherbin teorizou que as lendas das Amazonas refletiam as relações humanas em um estágio inicial da história em que o casamento em grupo era lugar comum, as mulheres eram completamente independentes dos homens e eram capazes de se organizar em unidades militares e destacamentos para defender seu território.

  Nesta fase de arranjos conjugais informais, distintos das formas posteriores de casamento, as mulheres tinham a possibilidade de serem amazonas, ou seja, independentes dos homens e protetoras de seu próprio modo de vida e de seus direitos femininos (Kosven, 3, 27). Embora os estudos de Shopen, Kovalevsky e Shcherbin serem metodologicamente falhos e nunca foram além do domínio puramente especulativo, deram a ideia de mulheres guerreiras no mundo antigo ser uma consideração séria e científica, que merecia ser creditada no século XIX entre seus colegas. Os achados arqueológicos em Pokrovka, um século depois que suas teorias foram publicadas, mostraram que algumas de suas especulações não eram tão selvagens quanto pareciam. Tudo nos leva a crer que os relatos apresentados por historiadores antigos dessas mulheres guerreiras não são simples mitologias, eles são a descrição real e fiel de uma civilização que desenvolveu a arte da guerra, alcançando um status e apogeu militar inigualável, se espalhando posteriormente para diversos lugares.

Por Kadumago.

Referências & trabalhos citados:
Richard Abraham "Mariia L. Bochkareva e as Amazonas russas de 1917", Mulheres e Sociedade na Rússia e na União Soviética. Cambridge, Inglaterra, 1987. Jeanne Davis-Kimball. “Mulheres Nômades Sauro-Sármatas: Novas Identidades de Gênero”, The Journal of Indo-European Studies, vol. 25, n. 3-4, outono-inverno de 1997. SV Drokov. “Organizador Zhenskogo batal'ona smerti” (“O Organizador do Batalhão de Mulheres da Morte”), Voprosy istorii (Questões da História), nº 7, 1993. Nadezhda Durova. Zapiski kavalerist-devitsy ( Notas de uma cavalaria solteira). Kaliningrad, 1999. Heródoto Istoriia ( História ). Leningrado, 1972 Margaret Higonnet, editora. Linhas de fogo. Mulheres Escritoras da Primeira Guerra Mundial . Um livro de pluma, 1999. S. Kaidash. Pólo de Russkie amazonki na Kulikovom ( amazonas do russo na batalha de Kulikovo). Moscou, 1968 IS Kon. Lunnyi svet na zare. Liki i maski odnopoloi liubvi ( Luz Lunar ao Amanhecer. Imagens e Máscaras do Amor do Mesmo Sexo). Moscou, 1998. MO Kosven. Amazonki. Istoriia, lendária ( amazonas, história e lendas). Em Sovetskiia etnografiia ( Etnografia Soviética ). Moscou-Leningrado, 1947, Nos. 2-3. AG Meyer. “O impacto da Primeira Guerra Mundial nas vidas das mulheres russas”, Mulheres da Rússia. Berkley CA, 1991. Yu.I. Smirnov e VG Smolitskii, editores. Dobrynia Nikitich i Alesha Popovich. Moscou, 1974 Gosudarstvennyi arkhiv obshchestvenno politicheskikh dvizhenii Eu formirovanii Arkhangel'skoi oblasti. Materialy o M. Bochkarevoi(Arquivo do Estado para Movimentos Sócio-Políticos e Organizações na Região de Arkhangelsk: Materiais relativos a M. Botchkareva).


Um comentário:

Todos os direitos resrvados

Safe Creative #1810242907925

Índice das Postagens

Total de visualizações

Sima-me

Sobre mim

Minha foto
Sou historiador, artista conceitual, escritor e compositor. Um homem apaixonado pelo conhecimento que se sente feliz em poder propaga-lo através de criações artísticas e audiovisuais.

Se inscreva em meu canal

Siga meu blog

Postagem mais recente

As Amazonas do Cáucaso

 Créditos da imagem    Boris Vallejo (Valeggio) "A existência das amazonas não me parecia mais uma fábula depois de eu ter...

Conheça meu Livro

Adquira a sua

Conheça minhas estampas

The Giant's Well Standard T-Shirt Front

Conheça minhas estampas

Postagens mais visitadas

Conheça minhas estampas

Conheça minhas estampas

Atlântida reino dos gigantes

Baixe o livro de graça
kadumago. Tecnologia do Blogger.

Política de Privacidade

Termos e Serviço

Denunciar abuso